O que é a Trindade?

dezembro 10, 2010 por Testemunha de Cristo

Antes de podermos legitimamente defender ou críticar a doutrina da Trindade, devemos nos esforçar para compreendê-la. A maneira certa de começar esse esforço é definindo nossos termos. Neste capítulo basearemos nossa definição da Trindade no Credo de Atanásío.

A maneira mais simples de definir a Trindade é dizer que é um Deus em três pessoas. E assim, o Credo de Atanásio fala da Trindade em termos de “um só Deus” e “três pessoas.” Mas é necessário expandir essa definição a fim de evitar mal-entendidos.

Os trinitários ou trinitaristas (os que crêem naTrindade) mantém com muita firmeza e sem meios-termos a fé num só Deus. O Pai, o Filho e o Espírito Santo não são três deuses. (Os mórmons que acreditam que são três deuses, alegam crer na Trindade, mas deixam muito claro que rejeitam qualquer forma da doutrina tradicional da Trindade.) O Credo de Atanásio deixa claro esse argumento repetidas vezes: “Não há, porém, três Deuses, mas um só Deus… De modo que somos proibidos pela fé católica [universal] de dìzer que há três deuses ou trés senhores.” O Deus adorado pelos trinitários é o Deus único e exclusivo; não reconhecem nenhum outro deus. Jesus não é outro deus lado a lado com Deus; Ele é Deus, juntamente com o Paí e o Espírito Santo.

As Testemunhas de Jeová freqüentemente criticam a Trindade como se essa doutrina negasse a unicidade de Deus. Por exemplo: Deve-se crer na Trindade? ( 1 ) expressa a opinião das testemunhas de Jeová: “… a doutrina da Trindade é falsa, que o Deus Onipotente se destaca como um ser separado, eterno e todo poderoso” (pág. 3; doravante, as citações de páginas entre parênteses referemse à brochura das Testemunhas de Jeová: Deve-se Crer na Trindade?). Mas os trinitários crêem que o Deus Onipotente é o único ser separado e todo poderoso. O ensino bíblico de que “somente Deus é o Todo Poderoso, o Criador, separado e distinto de qualquer outra pessoa” (pág. 12), é considerado pelas Testemunhas de Jeová uma contradíção da Trindade, mas, na realidade, concorda plenamente com ela. O escritor antitrinitarista, L. L. Paine, é citado com aprovação quando critica a doutrina da Trindade por afastar-se do “monoteísmo estrito” da Bíblia (pág. 12) – a despeito do fato de sustentar o trínitarísmo, rígorosamente, o monoteísmo (a crença num único Deus). Fazem a pergunta: “Será que honra a Deus chamar a alguêm de Seu igual?” (pág. 30), como se a Trindade ensinasse que Jesus era uma pessoa separada de Deus, porém igual a EIe, ao passo que a Trindade ensina que Jesus é Deus.

Ironicamente, são as Testemunhas de Jeová que negam o monoteísmo. Acreditam que além do “único Deus verdadeiro” (João 17.3), e além dos muitos deuses falsos, existem muitas criaturas que são corretamente honradas como “deuses” abaixo de Jeová Deus.

Outro aspecto da unicidade de Deus é o fato de que não há separações, divisões ou repartições em Deus. A doutrina trínítarísta sustenta que Deus é um ser infinito, único, que transcende os limites do espaço e do tempo, que não possui corpo material nem espiritual (a não ser o corpo que o Filho tomou sobre Si ao tornar-se homem). O Deus trino, portanto, não tem partes. Não se pode dividir em componentes a existência infinita. O Credo de Atanásio afirma que Deus não é dividido pelas três pessoas, quando declara que a fé trinitarista não aceita a possibilidade de “dividir a substância” (empregando “substância” no sentido da essência ou existência de Deus). As três pessoas, como conseqüência, não são três partes de Deus, mas três distinções pessoais dentro de Deus, cada uma das quais é integralmente Deus.

As Testemunhas de Jeová e outros antitrinitaristas freqüentemente criticam aTrindade como se esta ensínasse ou subentendesse que o Pai, o Filho e o Espírito Santo fossem três partes, componentes, ou divisões de Deus. Nesse sentido, declaram que o Espírito Santo “Não é parte de uma Trindade” (pág. 22). A idéia de que Jesus fosse “parte de uma Trindade” é criticada como impossível (pág. 23). A palavra parte é empregada repetidas vezes na brochura das Testemunhas de Jeová para designar pessoas na Trindade. É levantado o argumento de que “se Deus fosse composto de três Pessoas” a Bíblia teria deixado claro o fato (pág. 13) – mas a Trindade nega que Deus seja “composto” de partes.

Por enquanto temos concentrado a nossa atenção em explicar a intenção dos trinitaristas ao declararem que a Trindade é “um só Deus.” Mas a declaração de que esse Deus único refere-se a “três pessoas” também tem sido mal compreendida. É comum a pressuposição de que “pessoa” seja empregada para referir-se a um ser individual separado, o que daria a entender que três pessoas divinas fossem três divindades. A crença em três deuses, chamada triteísmo, sempre tem sido condenada pelos cristãos trinitaristas. Já notamos que o Credo de Atanásio condena com clareza o triteísmo. Se “pessoa” fosse usada no sentido de um ser individual separado, nesse caso os trinitaristas confessariam francamente acreditar que Deus é uma só “pessoa.”

Há, no entanto, outro significado da palavra pessoaque focaliza, não a existência separada, mas o relacionamento: os trinitaristas acreditam que o Pai, o Filho, e o Espírito Santo são três “pessoas” no sentido de cada uma ter consciência das outras, falar às outras, e honrar as outras. Deus, portanto, pode ser descrito como sendo “uma pessoa” ou “três pessoas,” – sendo que tudo depende do significado de “pessoa.” Para evitar mal-entendidos, os trinitaristas tèm tradicionalmente concordado entre si que empregarão a palavra pessoa para referir-se à mútua distinção entre o Pai, o Filho, e o Espírito Santo. É essa a praxe seguida no Credo de Atanásio.

Os trinitaristas reconhecem que Deus fala na Bíblia como uma só “pessoa,” no sentido de um único ser pessoal quando se dirige à raça humana ou quando fala do Seu relacionamento com o mundo. Sendo assim, Deus se refere a Si mesmo com o pronome “Eu,” e os seres humanos dirigem-se a Ele como “Tu,” no singular. Esse fato não é nenhum impecilho para a crença trinitarista, mas se encaixa com perfeição, pois os trinitaristas acreditam que as três “pessoas” são um único ser divino.

Outro fato que se encaixa com perfeição na doutrina da Trindade é que o Pai e o Filho falam entre Si, e se referem entre Si, como pessoas distintas. É falta grosseira de entendimento quando perguntam se Jesus orou a Si mesmo quando se dirigiu ao Pai. Essa pergunta pode ser embaraçosa quando é dirigida aos monarquianistas (que negam a Trindade e ensinam que Jesus é Deus Pai), mas os trinitaristas simplesmente respondem que Jesus o Filho orou ao Pai. O trinitarismo reconhece a distinção das très pessoas, que não devem ser confundidas entre si. O Credo de Atanásio, nesse sentido, declara que a fé trinitarista não permite “a confusão entre as Pessoas.”

Finalmente, algo deve ser dito a respeito da questão da submissão do Filho ao Pai. Nenhum trinitarista duvida que enquanto Cristo esteve na Terra, vivia em submissão a Deus Pai. O Pai no céu era exaltado, enquanto o Filho era humilde; o Pai era maior do que Cristo (João 14.28). A natureza humana de Cristo não era divina em si mesma; a humanidade de Cristo foi criada e, portanto, Cristo como homem tinha de honrar o Pai como Seu Deus. Por isso, o Credo Atanasiano declara que Cristo é “igual ao Pai no tocante à sua deidade, e inferior ao Pai no tocante à sua humanidade.” Não há dúvida, da perspectiva trinitarista, de que Cristo, como homem, estava em submissão ao Pai.

Parece, no entanto, que essa submissão transcende a vida histórica de Jesus na Terra. Ele foi enuiado ao mundo pelo Pai (1 João 4.9), o que subentende nalgum sentido que Cristo estava em submissão ao Pai antes de tornar-se homem. Mas, ao tornar-se homem, tornou-se um servo de Deus (Fp 2.8), o que dá a entender que Ele não estava, naquele relacionamento (entre servo e senhor) com o Pai antes de tornar-se homem. Depois da Sua ressurreição e ascensão, Jesus continuava a referir-se ao Fai como Seu Deus (João 20. 17; Ap 3. 12) e a considerar Deus Pai como Seu “cabeça” (cf. 1 Co 11.3).

Os trinitarìstas tém várias maneiras de exglicar esses fatos, mas todos concordam entre si quanto às conclusões que seguem. Primeira: o Filho sempre foi distinto do Pai, e Ele sempre o será. Segunda; na Sua natureza humana, Cristo sempre honrou o Pai como Seu Deus. (Os trinitaristas crêem que Jesus ressuscìtou dentre os mortos como um homem glorificado, e não um espírito imaterial – como as Testemunhas de Jeová ensinam). Terceira: mesmo antes de tornar-se homem Cristo Se dispõs a representar o Pai diante dos homens e buseava honrar ao Pai. Quarta: na Sua natureza divina Cristo sempre foi plenamente Deus, igual ao Pai na natureza essencial e nos atributos, e sempre o será. Quinta: na Sua humanidade Cristo tem um relacionamento com Deus diferente daquele que tinha antes de tornar-se homem. Sendo assim, Cristo na Sua natureza divina, é essencialmente igual ao Pai, embora no relacionamento (ou funcíonalmente) subordinado ou submìsso ao Pai, mormente depois de tornar-se homem.

Conforme veremos, quase todos os argumentos levantados pelas Testemunhas de Jeová contra aTrindade dependem, em maior ou menor grau, do falso conceito que têm da Trindade.

*Fonte: Robert Bowman, “Por que devo crer na Trindade?”, Editora Candeia, 1989. IN: http://logoshp.6te.net/TJtrind20.htm

About these ads

Aviso:

"Não é forma de perseguição religiosa alguém dizer e mostrar que a religião de outrem é falsa. Não é perseguição religiosa uma pessoa informada expor publicamente uma religião falsa, permitindo assim que outros vejam a diferença entre a falsa religião e a verdadeira... é um serviço público em vez de perseguição religiosa, tendo a ver com a vida eterna e com a felicidade do povo" — A Sentinela 15/5/64, página 304, parágrafo 3

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 41 outros seguidores

Arquivo

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 41 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: