Cristo morreu para terminar a Lei

Com relação à Lei e a sua validade, é necessário ter muita cautela em fazer uma afirmação, pois o tema é delicado e tem implicações muito complexas para a práxis cristã e para uma teologia saudável. Anunciar o Fim da Lei em Cristo, não é uma questão de dizer que ela não tem mais validade, ou que em Cristo não se necessita mais dela. Portanto, é necessário compreender a expressão: “te,loj ga.r no,mou Cristo.j” (télos gar nomou Cristós: Por que o fim da Lei é Cristo, Rm.10.4).

A mesma palavra grega utilizada para “fim” em Rm.10.4, é utilizada em Rm.6.21-22, como se lê: “Naquele tempo, que resultados colhestes? Somente as coisas de que, agora, vos envergonhais; porque o fim delas é morte. Agora, porém, libertados do pecado, transformados em servos de Deus, tendes o vosso fruto para a santificação e, por fim, a vida eterna”. Ou seja, se Cristo é o fim (télos) da Lei, pode-se dizer que Cristo é o alvo final da Lei. Logo, pode-se dizer que a primeira possibilidade a respeito de Cristo ser o fim da Lei é esta: A Lei teve Cristo por alvo, ou testemunhava a seu favor (Calvino). Por outro lado, o vocábulo ainda pode ser utilizado com o sentido de completar, cumprir, como se lê em Lc.22.37, que diz: “Pois vos digo que importa que se cumpra em mim o que está escrito: Ele foi contado com os malfeitores. Porque o que a mim se refere está sendo cumprido“. A idéia expressa pelo vocábulo neste texto sugere a idéia de completar ou cumprir, o que pode ser aplicado a Cristo, que veio para cumprir a Lei: “não vim para revogar, vim para cumprir” (Mt.5.17b). Assim, pode-se afirmar que outra possibilidade é esta: Em Cristo a Lei foi completa ou cumprida, ou teve suas exigências satisfeitas (Hodge).

Contudo, a tônica em Romanos não parece estar voltada para nenhuma dessas possibilidades, antes direcionada para a idéia de que em Cristo, a lei teve seu término. Com essa afirmação concordam Ryrie, John Sttot, F.F Bruce e L.S. Chafer. Ryrie, sobre esse assunto, afirma:

A declaração de Paulo em Romanos 10.4, dizendo que Cristo é o fim da lei, pode ser entendida como término ou propósito. Em outras palavras, ou Cristo terminou com a lei ou o propósito da vinda de Cristo era cumprir a lei. No entanto, término claramente parece ser o significado nesse contexto, por causa do contraste (iniciado em 9.30) entre lei e a justiça de Deus[13].

John Sttot afirma:

Telós pode ter dois significados. Um é “fim” no sentido de alvo, ou “completar algo”, significando que a lei apontava para Cristo e que ele a cumpriu. Ou então poderia significar poderia significar um “fim” no sentido de “terminalidade” ou “conclusão”, indicando que Cristo aboliu a lei. Paulo com certeza se refere a este último sentido[14].

F.F. Bruce diz:

Cristo é a terminação da lei no sentido de que, com Ele, a velha ordem, da qual a lei fazia parte, foi eliminada, para ser substituída pela nova ordem do Espírito[15].

Deve-se ter em mente que as idéias que mencionadas anteriormente, não são de todo excluídas, mas antes não se restringe a elas o significado da Obra de Cristo em relação a Lei. Pois, não se pode se negar que a Lei testemunhou a respeito de Cristo (Jo.12.4; Gl.3.24) ou que em Cristo ela é Satisfeita (Rm.3.29-31). Contudo, não se retira de Rm.10.4 essas idéias. Assim, o que se pode dizer sobre a Obra de Cristo em relação a Lei, é uma das conseqüências dela é o Término da Lei (At.15.10, 24; Rm.3.21, 22; Gl.5.1, 4, 13).

Anúncios