Jesus Cristo morreu para nos declarar justos diante de Deus

A Justificação não é apenas uma das conseqüências da Obra de Cristo a nosso favor, mas um tema doutrinário central na Salvação e fundamental para a essência do cristianismo. Tal importância é expressa pelo próprio vocábulo: “JUSTIFICAR”, que carrega o sentido de declara justo diante de Deus“. Isso não significa que uma pessoa, ao ser declarada justa, seja absolutamente sem falhas ou completamente justa no seu proceder, mas que a partir desse momento ela é Posicionalmente Justa, ou livre de culpa do pecado. “A justificação é o pronunciamento do juiz justo de que o homem em Cristo é justo; mas esta justiça é uma questão de relacionamento, e não de caráter ético“.

A Justificação é um empreendimento do próprio Deus, e aparece como o complemento de Deus na obra da Salvação, é uma declaração de Deus a respeito do cristão de que foi feito para sempre justo e aceitável diante de Deus. Segundo a Confissão de Fé de Westminster “a Justificação é um ato da livre graça de Deus, pela qual Ele perdoa todos os nossos pecados, e nos aceita como justos à sua vista, somente pela justiça de Cristo, imputada a nós, e recebida pela fé somente”.

Existe estreita ligação entre a Justificação e a Ressurreição de Cristo, pois a ressurreição de Cristo mostrou que a morte como resultado do pecado de Adão, teve seu poder neutralizado. Se a morte foi vencida, segue-se que a culpa foi removida. Assim, a ressurreição é uma prova ou garantia de que o problema da culpa, geradora da morte, foi resolvido. Ora, a Justificação é o termo que se refere ao livramento da culpa. Daí a relação entre a Ressurreição de Cristo e a Justificação dos cristãos. Tal pensamento tem fundamento evidente em Rm.4.25:

…o qual foi entregue por causa das nossas transgressões e ressuscitou por causa da nossa justificação.

 Diante dos fatos levantados é notório que existe uma ligação entre a Justificação e a Lei, por conseguinte com um Juiz. Sobre isso não há dúvidas, pois Deus não é apenas o legislador, mas o Justo Juiz (2Tm.4.8; Tg.5.9). Logo, o sentido forense da expressão está completo. Mas é válido demonstrar que, diante do Juiz, o justificado tem acesso pela fé a esta graça (Rm.5.2; 9.30), desfruta de um relacionamento de paz com Deus (Rm.5.1) e implica na demonstração de uma conduta concernente com a Nova Posição (Rm.6.7; Tg.2.24).

Anúncios